ROSELA EXIMIUS - Platycercus eximius
Platycercus eximius ROSELA EXIMIUS
DISTRIBUIÇÃO Sudeste da Austrália
DIMENSÕES Entre 20 e 33 centímetros, aproximadamente.
DISTINÇÃO ENTRE OS SEXOS Apontar as diferenças entre o macho e a fêmea não é tarefa fácil. As fêmeas desta espécie têm freqüentemente uma coloração mais pálida e, por vezes, tem o bico menor. Além disso, tem penas com cores claras à volta dos olhos.

CARACTERÍSTICAS SOCIAIS É aconselhável criar estas aves em casais. Os machos, particularmente, podem ser muito intolerantes entre si e agridem-se através do gradeamento.
Se tiverem oportunidade. Á semelhança da espécie descrita anteriormente, é aconselhável não criar estas aves juntamente com outras espécies de periquitos. Estas aves dão-se bem com outras espécies desde que estas não sejam demasiado tímidas ou pequenas e haja espaço suficiente.

ALOJAMENTO ADEQUADO Preferencialmente, estas aves devem ser criadas num viveiro ao ar livre que tenha, pelo menos 2 metros de comprimento e, no mínimo 80 centímetros de largura.
Por vezes, criam-se aves isoladas em gaiolas em recinto fechado, mas a ave tem de poder distender as asas com regularidade fora da gaiola. Os animais gostam de roer pelo que não deve colocar plantas no viveiro.

TEMPERATURA AMBIENTE Estas aves são muito resistentes aos meses de inverno e não necessitam de aquecimento desde que tenham acesso a um abrigo noturno quer as proteja das geadas.

ALIMENTAÇÃO Podem ser alimentadas com uma mistura de sementes e ração própria para periquitos de grande porte com um suplemento de pequenas quantidades de frutos e alimentos verdes. Deve ter sempre uma mistura de areia.

ATIVIDADES Estes periquitos, uma das espécies mais atraente que se conhece, podem ser muito ruidosos quando se assustam.
Podem também produzir uma variedade de ruídos que não são desagradáveis ao ouvido. São aves muito ativas que gostam de tomar banhos nos dia quentes. Se as aves forem criadas em recinto fechado devem tomar banhos de chuveiro diariamente utilizando para isso um borrifador de plantas.
Se tiverem um tratamento cuidadoso, as jovens aves podem crescer tornando-se muito dóceis. Podem ocupar todos os espaços do viveiro, mas freqüentam muito o chão, que esgaravatam em busca de alimento.

CRIAÇÃO Fazer criação destas aves é, normalmente, uma tarefa muito objetiva desde qual que o casal tenha um bom relacionamento recíproco e tenha, no mínimo, um ano e meio de idade quando tem a primeira gestação.
Uma caixa de ninho adequada tem na base uma área de 25 centímetros quadrados, aproximadamente, e uma altura aproximada de 45 centímetros. A fêmea põe, em média, cinco ovos brancos, que incuba durante 19 e 21 dias. Durante os primeiros dias após as crias nascerem, estas são alimentadas pela fêmea.
Quando são um pouco mais velhas, o macho também colabora. A plumagem surge quando as crias têm quatro ou cinco semanas de vida, sendo então alimentadas e tratadas pelos pais durante mais algumas semanas, até que possam cuidar de se próprias. Pode demorar um ano até que as aves adquirem a sua plumagem completa.

MUTAÇÕES Existem diversas mutações, entre as quais lutino, pastel, vermelha, asa branca e cor de canela.
____________________________________________________________________
Fazenda Visconde Ltda.
Av. Caramuru, 341 - República - CEP 14.025-080
Ribeirão Preto - SP - FONE: (16) 3625-4319


www.fazendavisconde.com.br
2018/7/21 | 08:48:12

IMPRIMIR